Player da Rádio

Pesquisar este blog

Tocando na Rádio

domingo, 13 de setembro de 2015

Shana Tova uMetuka - Bênçãos para um ano bom e doce Novo!



Nossos sábios nos ensinam que Rosh Hashana marca o sexto dia da criação, o dia em que adam harishon - o primeiro homem - foi criado. O lugar especial não era outro senão o que viria a ser conhecido como o Monte Moriá. Aprendemos também que foi neste mesmo lugar que Adam primeiro pecado e se arrependeu. 

Aqui, ele construiu um altar e apresentou uma oferta. Cerca de vinte gerações mais tarde, foi aqui que o anjo suspendeu a mão de Avraham na ligação de Yitzchak. Foi aqui que o carneiro apareceu, proporcionando Avraham com os meios através dos quais para expressar seu amor por D'us. 

Rosh Hashaná é o dia que nós reconhecemos a soberania de D'us o Rei, Criador do universo e Juiz de toda a humanidade. O dia em que "todos os seres passar diante dele como concurso ovelhas", a mensagem de Rosh Hashana é verdadeiramente universal: cabe toda a humanidade a aceitar a nós mesmos de D'us soberania, e ter em conta de nossos pensamentos e ações, tendo em vista este reconhecimento incrível. 

As trombetas e shofarot soaram antes da entrada para o Kodesh - Santuário - do Templo Sagrado em Rosh Hashana são lembretes de D'us domínio. O som do shofar - igualmente soprado nos degraus do Santuário, emana da própria respiração, a respiração que vem de dentro de nós, onde foi colocada, pela primeira vez, por D'us, em Adão, no sexto dia.

Shaná Tová 5776 e que o Beit Hamikdash seja reconstruído o quanto antes!

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Nova Pagina de Estudos - Torah em Audio

Ouça a Torah, Neviim e Ketuvim (Tanakh) em hebraico original e sem versionamentos distorcidos por Roma e seus filhos:
 Torah em Audio




domingo, 11 de janeiro de 2015

MÚLTIPLOS "EU"? O QUE AFINAL VOCÊ É?

Segundo um Doutor, pesquisador, cientista, psiquiatra, psicoterapeuta e escritor sobre os comportamentos humanos da mente, correto uso da inteligência e memória, afirma com todas as palavras que NAO EXISTE PESSOAS COM MULTIPLAS PERSONALIDADES, mas, devemos ter em mente que podemos ter várias posturas do EU na mesma personalidade. O que classificam como múltiplas personalidades, são na verdade núcleos distintos de habitação ou plataformas de memória onde o autofluxo e o EU se ancoram. (Embora não concorde com 100% do que ele ensina, mas, essa analise que o Doutor faz é muito interessante)
O Doutor classifica os diferentes tipos de EU em seis tipos distintos que a pessoa alterna conforme o seu estado ou circunstância, cultura ou realidade de vida.
Eis os seis tipos que irei listar conforme estudados e cientificamente testados pelo Doutor:
1º - EU GERENTE => São as pessoas cujo Eu aprendeu a gerenciar seus pensamentos, a exercer a arte
de se autoquestionar. Elas libertam seu imaginário, apreciam os movimentos do
autofluxo, são criativas, motivadas, inspiradas e também capazes de criticar suas ideias, verdades, crenças.
Sabem que quem vence sem dificuldades triunfa sem grandeza. Portanto, rompem o cárcere da mesmice, andam por espaços inexplorados, são curiosas, exploram o que está além dos seus olhos, mas, ao mesmo tempo, seu EU tem maturidade para reciclar e qualificar seus pensamentos e suas imagens mentais.
Têm consciência de que o fenômeno do autofluxo é uma fonte de inspiração, entretenimento e aventura, porém não permitem ser dominadas por ele. O EU gerente faz uma higiene mental diária: duvida dos pensamentos perturbadores, critica as falsas crenças e determina ou decide estrategicamente aonde quer chegar; portanto, usa a técnica do duvidar, criticar e determinar (DCD).
O EU gerente é livre, leve, solto, faz do caos uma oportunidade criativa, tem resiliência para usar a dor a fim de se construir, reconhece erros, pede desculpas e encanta as pessoas, pois não tem a necessidade neurótica de ser perfeito. Por isso, é capaz de falar de suas lágrimas para que seus filhos e alunos aprendam a chorar as deles. Porque um dia as chorarão.
2º - EU VIAJANTE OU DESCONECTADO => São as pessoas que embarcam seu EU em todas as viagens promovidas pelo autofluxo, sem promover nenhum gerenciamento. O céu e o inferno emocional
estão muito próximos de alguém que tem um EU desconectado. Tais pessoas não perderam os parâmetros da realidade, não estão em surto psicótico, mas, por serem viajantes na trajetória da própria mente, alternam com muita facilidade momentos felizes e de tensão.
Como o EU viajante não tem gestão mínima da sua mente, dependendo do lugar da memória em que se ancora o autofluxo, as pessoas com esse tipo de EU assistirão como espectadores passivos aos pensamentos, ideias, imagens mentais e emoções construídos por esse fenômeno inconsciente. Um EU desconectado não assume a direção da própria história. Por onde o autofluxo caminha, o EU ingenuamente o segue.
As pessoas que têm um EU desconectado ou viajante vivem imersos em seu psiquismo, pensando, imaginando, fantasiando. São tão distraídos e desconcentrados que você fala com eles por minutos, mas eles não prestam atenção nas suas palavras.
Não poucas pessoas inteligentes, incluindo muitos gênios, têm um EU viajante.
Mas, por serem desconectadas da realidade, infelizmente não usam adequadamente seu potencial intelectual.
São indivíduos sonhadores, mas sem disciplina para transformar seus sonhos em realidade. São ótimos para discursar, mas não são produtivos. Amam os aplausos, mas não gostam de afinar o piano, carregá-lo e tocá-lo.
Há muitas pessoas que têm um EU desconectado e são afetivas, generosas, calmas, mas em não poucos casos há um egoísmo e um egocentrismo na base de sua desconexão. Pouco se preocupam com a dor do outro e, por isso, têm poucas atitudes práticas para aliviá-la. São ótimas para falar, mas tardias em agir.
Aprender a arte do altruísmo e da observação exige um treinamento que um EU desconectado deve fazer diariamente.
Alguns alunos têm uma SPA (Síndrome do Pensamento Acelerado) tão intensa e são tão desconectados em sala de aula que lhes peço para realizar a seguinte técnica para se concentrar e melhorar o desempenho intelectual: elaborar, em sua mente, a síntese da exposição dos professores durante a fala destes e escrevê-la rapidamente.
3º - EU ENGESSADO => São as pessoas que não libertam o fenômeno do autofluxo e, consequentemente, contraem seu imaginário e sua criatividade. Seu EU é rígido, fechado, inflexível.
Elas têm grande potencial criativo, mas são seus próprios punidores, não sonham, não se inspiram, têm pavor de ser abertas e pensar em outras possibilidades.
Vivem entediadas e entediando seus íntimos.
Um EU engessado defende radicalmente seu partido político, suas convicções ou sua religião e, portanto, não abre espaço para respeitar o diferente. Quem é radical não está convencido do que crê, nem da sua religião, pois se estivesse não precisaria usar pressão para se expressar. Por outro lado, também quem defende radicalmente seu ateísmo é emocionalmente imaturo, pois precisa de coação para dar relevância a suas convicções.
Um EU engessado é mentalmente robotizado. Levanta sempre do mesmo modo, faz as mesmas reclamações, dá as mesmas respostas, tem as mesmas atitudes diante dos mesmos problemas. É uma pessoa encarcerada pela rotina. Tem, às vezes, motivos de sobra para agradecer a vida, o trabalho, os filhos, mas chafurda na lama da reclamação. Você conhece alguém assim?
Tais pessoas podem até ter sucesso “por fora”, mas são miseráveis por dentro. Sua maior fonte de entretenimento está comprometida, empobrecida. Seu EU tem apreço em se ancorar em janelas killer que fomentam pessimismo, insatisfação, irritabilidade. Treinar a capacidade de mudança quando necessário, pensar em outras possibilidades, autocrítica e reconhecimento de nossa rigidez são atitudes inteligentíssimas para retirar nosso engessamento mental.
4º - EU AUTOSSABOTADOR (ou EU auto-destruidor) => O EU autossabotador não gere o processo de construção de pensamentos para promover estabilidade e profundidade emocional. Por incrível que pareça, esse tipo de EU vai contra a liberdade, conspira contra seu prazer de viver, sua tranquilidade e seu êxito profissional e social. Pessoas com EU autossabotador são carrascos de
si mesmas. Um EU com essas características precisa desesperadamente aprender a ter um caso de amor com suas qualidades.
Milhares de mulheres com sobrepeso têm um EU autossabotador. Elas fazemregime, lutam para emagrecer e, depois de muito esforço, obtêm êxito. Entretanto, não mantêm o peso nem se jubilam com sua vitória, pois o fenômeno do autofluxo se ancora em janelas killer, o que produz autopunição, e o EU frágil submete-se a essas zonas traumáticas e, consequentemente, não admite se sentir bem, feliz e ser elogiado. O êxito as deixa tensas. Elas começam a sabotar seu regime, passam
a comer compulsivamente. Parece que só se sentem vivas se estão se punindo.
Frequentemente, desistem dos seus sonhos no meio do caminho. O EU autossabotador não sabe dar um choque de gestão no autofluxo, que, além da autopunição, carrega fobias, obsessão, dependência, ciúme, inveja, raiva, autoflagelo.
Uma pessoa autossabotadora da sua saúde emocional vive se aterrorizando, se atormentando com fatos que ainda não aconteceram ou gravitando na órbita dos problemas que já passaram, lamentando perdas, fracassos, injustiças. Um EU que sabota a própria felicidade pode ser ótimo para com os outros, mas é péssimo para si. Pode ser tolerante com seus íntimos e amigos, mas implacável consigo mesmo. Pode dar chances para os outros quando erram, mas raramente se
dá uma nova chance.
Um dos mais graves defeitos da personalidade de um EU autossabotador é a autocobrança. Como, infelizmente, grande parte das pessoas tem essa característica doentia, vou reiterar o que já disse. Quem cobra demais de si retira o oxigênio da própria liberdade, asfixia sua criatividade e, o que é pior, estimula o registro automático da memória a produzir janelas killer toda vez que falha,
tropeça, claudica ou não corresponde a suas altíssimas expectativas.
Um importante alerta: uma das mais graves consequências de quem cobra excessivamente de si mesmo é aumentar os níveis de exigência, o que o impede de relaxar, sentir-se realizado, satisfeito, feliz. Quem faz muito do pouco é muito mais estável e saudável do que quem precisa de muito para sentir migalhas de prazer.
O EU autossabotador faz que muitos profissionais de sucesso tenham grave insucesso emocional. Eles sabotam suas férias, seus finais de semana, seus feriados, seu sono, seus sonhos.
5º - EU ACELERADO => Ao EU acelerado pertence o imenso grupo de pessoas em todo o mundo, em todas as sociedades modernas, de crianças a idosos, que se entulham de informações,atividades e preocupações. E, consequentemente, excitam o fenômeno do autofluxo a produzir pensamentos numa velocidade nunca vista, gerando, portanto, a Síndrome do Pensamento Acelerado.
A SPA (Síndrome do Pensamento Acelerado) tornou-se o mal do século, gerando péssima qualidade de vida, insatisfação crônica, retração da criatividade, doenças psicossomáticas, transtornos nas relações interpessoais e, em destaque, transtornos na relação do EU consigo mesmo.
Há indivíduos que mudam o tom de voz e reagem de maneira tão diferente da habitual que parece que duas ou mais pessoas vivem no mesmo cérebro. O que ocorre de fato é que, dependendo da plataforma em que o autofluxo se fixa, o EU se nutre de informações e experiências para produzir pensamentos e emoções e, desse modo, revelar características próprias da personalidade.
Algumas pessoas são serenas quando ancoradas em determinado núcleo de habitação; fora dele, tornam-se estúpidas. Há pessoas que são fortes e seguras numa determinada situação, mas, em outra, se intimidam como uma criança diante de uma fera. Se as plataformas forem qualitativamente muito diferentes umas das outras, as características também o serão.
6º - O EU PODE TER VÁRIAS POSTURAS DOENTIAS
Uma pessoa pode ter um EU acelerado e, para piorar sua saúde emocional, ter também um EU engessado, autossabotador ou desconectado com o meio ambiente. Ou seja, além de o sujeito ser inquieto, agitado, é também rígido, emocionalmente instável e, ao mesmo tempo, seu pior inimigo, carrasco de si mesmo, pessimista e mal-humorado.
Apesar de a postura do EU revelar níveis de criatividade, maturidade, resiliência, capacidade de se adaptar às mudanças, de proteger a psique e de superar conflitos, não podemos nos esquecer de que, em psiquiatria e psicologia, nada éimutável. O psiquismo humano pode passar por um processo de transformação, em especial se o EU se reciclar e se tornar um construtor de plataformas de janelas
light, enfim, um edificador de novos núcleos de habitação no córtex cerebral.
Uma das teses que defendo no livro A fascinante construção do EU é que, dentro da metáfora de uma cidade, um ser humano não precisa ter toda a cidade da memória perfeita, sem ruas esburacadas, esgotos a céu aberto e bairros traumatizados, para ter uma vida digna. Como numa cidade física, se você construir núcleos de habitação saudáveis, será possível ter uma vida aceitável e prazerosa. Se não fosse assim, o processo de formação da personalidade seria completamente injusto. Crianças que foram abusadas sexualmente, privadas de condições de vida mínimas, humilhadas socialmente, mutiladas em guerras e ataques terroristas não teriam a chance de
possuir uma mente livre e uma emoção saudável.
Nos computadores, somos 'deuses' porque registramos e deletamos o que queremos no momento que queremos; na memória humana, isso é impossível. Mas não significa que estamos condenados a conviver com nossas mazelas psíquicas. Podemos alicerçar todos os papéis do EU já listados e, consequentemente, reeditar a memória e apreender algumas ferramentas, como a técnica do DCD, a
mesa-redonda do EU, a proteção da emoção, a resiliência, para assumir o script da nossa história.
Todavia, jamais podemos nos esquecer de que em psiquiatria, psicologia, sociologia e ciências da educação não existem soluções mágicas. É necessária uma nova agenda para formar núcleos de habitação do EU. São necessários exercícios educacionais diários. Devemos nos lembrar sempre desta tese: se a sociedade nos abandona, a solidão é tratável, mas, se nós mesmos nos abandonamos, ela é quase incurável.
APROFUNDANDO O ASSUNTO...
Todavia, devemos também transcender a ótica do Doutor e ampliar nossa visão. Com base nos ensinos de Aryeh Kaplan (de abençoada memória), sábio que viveu até 1983 conosco, levanta a seguinte questão:
Vamos pensar sobre você mesmo? O que é você, realmente? Quem é o seu “EU” VERDADEIRO?
Antes de examinarmos esses questões produndas e abstratas, vamos dar uma olhada nos aspectos concretos e evidentes de uma pessoa. Por exemplo, vamos abordar questões da observação mais simples até uma mais complexa. Olhe para sua mão. Ela abre e fecha; obedece a todas as suas ordens que a sua mente lhe envia. É sua – faz parte de você.
Mas o que é você?
O que acontece quando você ordena à sua mão que fique aberta ou fechada?
De que modo a sua mente quer que a sua mão se abra?
Quem está dizendo a sua mão que ela deve fechar-se?
Agora, vamos considerar a pessoa completa. Aponte para você mesmo. Se você for como a maioria das pessoas, você apontará o dedo para seu peito, para o seu coração, para o seu corpo.
Mas, o seu corpo é você realmente?
Não muito tempo atrás, uma pessoa podia considerar o seu corpo como parte integrante de si mesma. Você era seu corpo e seu corpo era você. Agora já não mais é assim.
O progresso cientifico mudou todo o conceito da identidade humana.
Essa nova era nasceu no final da década de 60, quando um mundo esperançoso e espantado testemunhou a luta dramática de um homem pela vida. O Dr. Philip Blaiberg viveu durante um ano e meio com o coração de outra pessoa batendo dentro do peito.
Se eu tivesse pedido ao Dr. Philip Blaiberg que apontasse para si mesmo, ele teria apontado para o seu peito? Esse coração, transplantado de outro ser humano, era realmente parte dele?
Em certa ocasião, o Dr. Blaiberd descreveu as suas emoções ao ver o seu próprio coração, isto é, o seu coração original, suspenso num vaso com formaldeído. Como se sente um homem segurando o seu próprio coração nas mãos? Qual era o coração do Dr. Blaiberg realmente? Agora, pergunte-se, o coração que bate dentro de você, o que você tinha apontado com o dedo, é o seu “EU” real? Ou você é algo completamente diferente?
Em 1969, a ideia de transplantar um coração humano, vivo e pulsante, em outra pessoa, parecia um milagre. Hoje em dia, já é quase lugar-comum. Na atualidade, os avanços da ciência são mais radicais ainda. Na atualidade, os avanços da ciência são mais radicais ainda. Os pesquisadores preveem coisas que nos forçarão a mudar completamente nossa maneira de pensar.
Uma das coisas que os pesquisadores estão prevendo, talvez para dentro da próxima década (ou século) ou a seguinte, é um transplante de cérebro. Um cérebro vivo poderia ser extraído de um corpo humano e colocado em outro. Um feito dessa magnitude mos forçaria a enfrentar esta pergunta:
Afinal, o que é a personalidade humana (que chamam de “EU”)?
Imagine-se tendo uma doença incurável no corpo, mas com o cérebro saudável. Os médicos acham um doador para você – uma pessoa que sofreu um dano cerebral irreparável, cujo cérebro parou de funcionar, mas cujo corpo está ainda saudável. Você recebe anestesia. O seu cérebro é removido do seu corpo atual – um corpo doente demais para continuar vivendo – e colocado neste novo corpo, com boa saúde.
Agora, imagine que você esteja acordando. Você ainda tem o seu cérebro antigo, com todas as suas lembranças. Toda a sua personalidade permaneceu intacta, com todos os seus padrões de comportamento; seus padrões padrões originais de pensamento ainda estão funcionando. Só que, agora, você tem um corpo novinho em folha; novas mãos, novos pés, novos olhos, novas orelhas e um coração novo. O seu corpo corpo original estava velho e enfermo, desintegrando-se, mas agora você tem um corpo novo, jovem, saudável e cheio de energia.
Neste ponto, se eu lhe pedisse que apontasse para você mesmo, você apontaria para o seu coração, o seu corpo? Lembre-se, você conserva o seu cérebro de sempre, os seus pensamentos da vida inteira, as suas lembranças mais antigas, só que dentro de um corpo novo.
Neste exemplo de possibilidade, quem é o você real? É aquele corpo velho, deitado sem vida sobre uma mesa? Ou seria este novo, este corpo que agora você pode controlar com os seus pensamentos? Este é o seu corpo, ou não?
Talvez o verdadeiro “EU” de você esteja no seu cérebro. À MEDIDA QUE O NOSSO CONHECIMENTO VAI PROGREDINDO, AS PERGUNTAS TORNAM-SE CADA VEZ MAIS COMPLEXAS, E PRECISAMOS PROCURAR RESPOSTAS CADA VEZ MAIS LONGE.
Vivemos na era da informática. Os avanços tecnológicos são excessivamente rápidos para serem seguidos pelos leigos. Cada geração de computadores é mais sofisticada que a anterior – os supercomputadores superam os seus antecessores em milhares de vezes. Cada geração é mais complexa, rápida e literalmente mais inteligente. A maior parte da tecnologia avançada dos computadores é desenvolvida mediante a ciência da computação. Esta ciência traça comparações entre os computadores avançados e o cérebro humano (os supercomputadores ainda não são capazes de imitar ou superar a mente humana, mesmo com tantas pesquisas realizadas => [http://www.tecmundo.com.br/…/39375-computacao-neuromorfica-…]).
Sob muitos aspectos, os computadores extremamente complexos comportam-se de modo muito similar ao cérebro humano e, em grande medida, o cérebro humano comporta-se como um computador extremamente complexo. Através da informática, os engenheiros utilizam o nosso conhecimento do cérebro humano para projetar computadores mais aperfeiçoados, e os psicólogos têm a sua disposição nosso conhecimento de informática para conseguir percepções mais acertadas dos mecanismos de funcionamento do cérebro humano.
Na tecnologia com computadores é possível programar uma transferencia de memoria, ouseja, toda a informação contida num computador pode ser transferida para outro. Isto se produz eletronicamente; tudo o que passa de um computador para o outro é informação, dados transportados por impulsos elétricos. Os peritos em informática fizeram especulações sobre se seria possível fazer o mesmo com o cérebro humano. Este conceito é um dos temas favoritos dos escritores de ficção científica. No entanto, muitos cientistas sérios acreditam que seria possível. E, mesmo que não seja possível na prática, Ee possível na teoria.
Vamos tentar prever uma transferencia de memória humana. Uma pessoa tem uma doença incurável; nem o seu corpo, nem o seu cérebro podem ser salvos. Criamos um novo corpo humano, incluindo o cérebro; um clone genético do original, em algum tipo de solução química nutriente. Hoje em dia, isto não é possível, mas os avanços da bioengenharia sugerem que se torne possível, daqui a dez, vinte ou cinquenta anos. Então, um novo corpo é criado – um corpo novo, com um cérebro em branco. O novo cérebro é capaz de funcionar, mas falta-lhe lembranças e configurações de pensamentos. Jamais foi usado antes. Agora, damos o passo final: executamos uma transferencia de memória, da pessoa doente para o novo cérebro alojado no corpo novo.
Agora, temos de lidar com um conceito fascinante. Se todas as lembranças de uma pessoa, padrões de pensamentos e traços de personalidade pudessem ser transferidos para um novo corpo e cérebro, essa pessoa passaria – literalmente – a existir no novo corpo, no novo cérebro, apesar de que nada físico tivesse sido mudado, mesmo que nenhuma das suas partes físicas tivesse sido transplantada para o novo corpo. Tudo o que foi transferido, tudo o que foi colocado no corpo novo é uma determinada quantidade de dados, informações que até agora existiam no cérebro antigo. Esta “informação” contém a soma total da personalidade desta pessoa.
Tudo isso é possível, PELO MENOS NA TEORIA. Agora, pergunte-se de novo:
Quem é o verdadeiro você nesta situação?
Não pode ser o seu corpo, nem sequer o seu cérebro. Somente pode ser a a “informação” contida no seu cérebro: as suas lembranças, a sua personalidade e os seus padrões de pensamento.
O que acontece, então, quando não se realiza nenhum transplante de cérebro nem transferencia de memória, e o corpo original de uma pessoa se deteriora e morre?
O que acontece com toda essa “informação”?
Depois que o cérebro fica inerte e o corpo apodrece, o que acontece com o “banco de dados” que, na nossa análise mais profunda, parece ser a pessoa real?
Quando um livro é queimado, o seu conteudo é destruido. Quando um computador é destruido, ou até mesmo desligado, a sua informação é apagada para sempre. Quando uma pessoa morre, acontece a mesma coisa?
A mente – a personalidade, os padrões de pensamento e as lembranças – são irrecuperáveis?
Sabemos que D-us (O Sagrado Bendito Seja) é onisciente. Ele sabe tudo e se lembra de tudo – cada pensamento, cada lembrança, cada traço de personalidade de cada ser humano. Ele está consciente de todas as coisas que existem dentro das nossas mentes.
Então, quando uma pessoa morre, D-us se esquece de tudo?
Não, com certeza que não!
Mesmo após a morte de uma pessoa, toda essa “informação” permanece e continua a existindo na memória de D-us.
Podemos imaginar algo que exista “na memória” somente como sendo estático – pedaços fixos de dados, fatos sem vida. Mas os pensamentos e a memória de D-us não são estáticos. De fato, a soma total de uma personalidade humana pode existir na memória de D-us, mas isto não é o mesmo que existir na memória humana.
Na memória de D-us, a personalidade humana ainda pode manter a sua identidade. Ela ainda pode manter a sua vontade e ela pode ficar ativa. É isto que denominamos de alma humana (nefesh). É isto que perdura, mesmo após a morte de uma pessoa.
Para nós, é muito dificil imaginar uma personalidade ativa, uma entidade viva, existindo dentro da memória de D-us (O Sagrado Criador, Mantenedor e Formador de Tudo que relativamente existe, Bendito Seja Ele). A totalidade do conceito da mente de D-us Ee muito difícil de compreender. Dizemos que uma alma está no Céu, ou no Paraíso (Uma forma figura de representar a Memória Superlativa, Dinâmica e Superior do Eterno D-us). Descrevemos a alma como se estivesse morando no 'Mundo Vindouro', no 'Mundo das Almas'. Dizemos que ela permanece no “laço da vida eterna”.
Os cabalistas descrevem a alma como uam Chelek Eloká Mimaal – um fragmento de D-us, do Céu. E as Escrituras Sagradas são bastante explícitas sobre o destino dessa alma:
“O pó volta para a terra como era, mas o espírito volta a D-us, que o deu.” (Cohélet [Elesiastes] 12:7). O significado é bastante literal. O corpo, inclusive o cérebro físico que, pelo menmos na teoria, pode ser descartado ou trocado, volta ao pó da terra, mas a personalidade, a alma, permanece viva na memória de D-us, no pensamento eterno de D-us (Hacadosh Baruch hu). Esta alma, que conservará a sua identidade para sempre, é a pessoa essencial. ESTE É O VERDADEIRO VOCÊ!
Bibliografia:
- Augusto Cury;
- Aryeh Kaplan – Encontros entre o Céu e a Terra – Editora Maayanot